Primeira semana em Montreal

A intenção desse post é mostrar como foi minha primeira semana em Montreal. É provável que ele seja mais interessante pois terá conteúdo mais cultural.

O primeiro passo era chegar até a escola, na Rue St. Catherine, 1610. Acordar, preparer le petit déjeuner, e ir até o ponto de ônibus. Nenhuma surpresa no parada, pessoas em fila, como no Brasil. Já no embarque as coisas começam a ficar diferentes, somente o motorista e todos o cumprimentam educadamente: Bonjour. Não existe catraca, somente um local onde você insere suas moedas e recebe um cartão para utilizar também no metrô, ou utiliza seu cartão. Os créditos desse cartão funcionam não com quantidades, mas com períodos. Você compra o passe diário, para o final de semana, semanal ou mensal, semelhante ao sistema que Haddad pretende implantar em São Paulo. Achei melhor que o sistema de unidades.

Chegando à estação Lasalle, basta continuar na linha verde até a estação Guy-Concordia, que fica abaixo de um campus da Universidade Concordia. Sair da estação, passar por algumas lojas de Café (é o que mais vi aqui até agora) e entrar no prédio da escola. Uma das coisas mais interessantes aqui é que é um “território” de dois idiomas (teoricamente), francês e inglês. Na verdade toda Montreal parece ser assim, apesar do idioma oficial ser o francês. Os funcionários da escola separam as pessoas pelos idiomas que irão estudar e começam a explicar como tudo funciona. Depois disso, fazemos um teste de nivelamento e descobrimos as turmas em que iremos estudar. No meu caso fiquei na B Elementaire, era o que eu esperava, já que não estudei nem tive contato com francês por 2 anos.

Após o teste, um dos instrutores realiza um passeio pelos arredores da escola, informando coisas que vamos precisar saber – como funciona o transporte, bancos, etc. Ele também é o responsável pelas atividades extraclasse oferecidas pela escola: passeios para conhecer a cidade e interagir com os outros estudantes.

No andar abaixo da escola há uma praça de alimentação com diversas opções da cozinha internacional a nossa disposição. O instrutor do passeio recomendou o Poutine, original de Quebec e uma das únicas receitas canadenses. Como alunos da escola ganhavam um desconto e por ter parecido bom, foi minha escolha. Nada especial, mas gostoso. Durante a semana eu e um suíço estamos fazendo um revezamento de restaurantes, para provar todos os disponíveis, um por dia.

Durante o período da tarde, turma de Vocabulaire et Prononciation. Descubro que metade da turma é de brasileiros, mais russos, suíços, americanos, coreanos, japoneses, alemães e colombianos. Isso é um pouco complicado, pois apesar das regras da escola pedirem para falarmos somente francês ou inglês, você escuta muitos idiomas pelos corredores, e o que mais escuto é o português.

Como a parte dos estudos não interessa a ninguém, vou falar sobre os passeios. O primeiro foi a chamada Vieux-Montreal, ou o centro antigo de Montreal. Uma grande variedade de museus, restaurantes, igrejas, prédios governamentais antigos e novos (normalmente um ao lado do outro), o antigo porto e arquitetura que remete a Europa. Todo o caminho pode ser feito a pé, e para chegar, basta ir até a estação de metrô Champ-de-mars.

A explicação de um fato curioso também se encontra nessa região: o porquê dos endereços da cidade sempre indicarem se são a leste ou oeste. Isso é devido a rua conhecida como la Main, ou Boulevard Saint-Laurant, que divide a cidade (e as culturas).

Toda história dessa região tem muita relação com o conflito entre ingleses e franceses disputando o Canadá, acontecimentos importantes como a declaração de Montreal como cidade, a luta pela independência, entre outros. Essa área preserva muita da parte francesa do Canadá, o que é um orgulho para os cidadãos da província de Quebec. Muitos dos locais da região foram destruídos por guerras ou queimados, mas reconstruídos como os originais e com aspecto de velhos. A imagem abaixo é da Hôtel de Ville (prefeitura) de Montreal, cujo teto é feito do mesmo material da Estátua da Liberdade, ou da moeda de 1 centavo canadense: coppa.

Hôtel de Ville, Montreal, Canadá

Não vou contar toda história do conflito Inglaterra e França pelo Canadá (até porque não lembro), mas quem tiver interesse encontra facilmente nos links que estão no texto.

O segundo passeio foi a Ottawa, a capital do Canadá. São aproximadamente 2 horas de viagem em ótimas estradas. Lá, conheci o Parlamento do governo, que oferece uma visão fantástica em 360° do topo de sua torre, possui uma biblioteca impressionante, que escapou de um incêndio que devastou todo o prédio graças a engenhosidade de alguém que decidiu instalar portas de ferro somente na biblioteca. Também visitamos o Canal de Rideau, a embaixada americana, museus e monumentos. Três coisas que me chamaram atenção foram os monumentos a paz, ou ao fim da guerra, a presença de livros escritos a mão com os nomes dos soldados que morreram pelo país em diversas guerras, em local de destaque no parlamento e o regime de governo, chamado monarquia constitucionalista, que me pareceu complicado pois a rainha tem influência mas está na Inglaterra.

Na última parte do passeio, uma parada numa espécie de mercado municipal e após isso algumas horas para descobrir a cidade. Durante esse período vi um local com a placa Zaphod Beeblebrox. Quem leu o Guia do Mochileiro das Galáxias reconhece facilmente o nome do presidente da galáxia. Fiquei curioso e fui logo ver o que era, mas estava fechado uma pena. Através do site descobri que é um clube noturno e que sim, ele tem no menu a Dinamite Pangalatica. Estrou na minha to-do list.

Também aproveitei para conhecer o Hard Rock Cafe de Ottawa, onde almocei com um russo e um suíço. Logo depois fechamos o dia com a cerveja St. Ambroise Pale Ale, uma a menos na minha lista de 1000.

A imagem que ilustra essa postagem é de dentro da biblioteca do parlamento, com uma estátua da Rainha Victoria, que escolheu Ottawa como capital do Canadá.

Além das pessoas que estou conhecendo através da escola, tenho certeza que fiz pelo menos mais dois amigos na casa em que estou hospedado. Pela foto vocês podem me dizer se estou certo.

chichu_et_titi

Se tudo der certo, no próximo Domingo veremos o que a semana que começa está guardando. Até lá!